terça-feira, 24 de agosto de 2010


“de cheirar pelas esquinas minha flor nenhuma”




a Paulinho da Viola & Sheyla de Castilho


deixo pelas ruas
a alegria que provoca
línguas secas
por tentação.

na cegueira
contrito o peito
fungo o ar da noite
até dia

enjoando da segurança 
do lar muito fácil
porque ninguém veio pra vida
com intuito de sorrir sempre.

agruras nos tornam mais maduros.

e esta faca de dois gumes
este revólver de dois canos
erram um único alvo

:

a calmaria
de cheirar o que for flor qualquer flor qualquer flor qualquer for flor qualquer for qualquer




(FelipeRey)

4 comentários:

mayara disse...

Perfeitoo *--*

Adriana disse...

linda poesia!!!!!!!!!!adorei

Decifra-me ou Devoro-te disse...

foi um rio que passou em minha vida...

parabéns belas palavras

alongaestrada disse...

´´e esta faca de dois gumes
este revólver de dois canos
erram um único alvo´´

muito bom...parabéns pelo texto.

 

Labels

Labels