quinta-feira, 1 de abril de 2010

Entre dentes

.


eu te amo amor
e circunvagarei absorto
pelas ruas sujas aromatizadas à urina
e detritos.
em nódoas marrons
a flor da sua face despetalou
no átimo em que eu mirava seus olhos
sob a força da fixação.
eu não te amo amor
apenas acometo-me a escrever
versos de vômito e sopro –
algo que me sobra de surpreendente
mesmo eu estando na entressafra da inspiração.
eu amor
rasgarei a seda e o algodão
entredentes
de pronto
soltarei brados estridentes
na secura da minha colheita
beberei a aguarrás da solidão
inclusive
me recusando a implorar o teu perdão.





FELIPE REY

3 comentários:

frenesi disse...

Cara... muito maneiro....ácido , bacana....continue sempre assim mestre!

Guará Matos disse...

Um amor rascante.
Abraços.

Pedro Melo disse...

demais unico e sincero
uma baita inspiração
uma corrente quente e fria.
escreva sempre!

 

Labels

Labels