segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Sentimentos Transitivos


 .


“Aquela chama gostosa que o devorava, ele não sabia mais se era de maldade ou de bondade. O Bem e o Mal, o Bem deles e seu próprio Mal; era a mesma coisa.”
                                                      Jean-Paul Sartre





Na fronte do artista
havia uma musa nua
de alma fumegante
que empertigava a
cabeça do poeta
com suspiros, espirros,
espasmos de inspiração.

Ele sentiu-se repuxado
por um gládio divino
da beleza mística da musa.
Sobretudo, não conseguiu defini-la!
O que era o mal da verdade?
Ou o bem da mentira?
A miragem mira-se no veio da invenção.

Deste modo, a razão é dispensável.
Os dois deixam-se levar
por uma barafunda de afãs, afagos
e pensamentos isentos de discernimento.
Eles abandonam o cotidiano estável
e se lançam ao vento mutável da paixão.





FELIPE REY

 

Labels

Labels